Comentários estão desligados para este conteúdo

É o Meu corpo

DÓ                             FÁ            DÓ 
Como o Senhor nos amou, jamais alguém pode amar, 
DÓ                            RÉ-          SOL
p’lo caminho da justiça nos ensina a caminhar
        DÓ       DÓ7         FÁ           DÓ 
quando estamos reunidos e partilhamos seu pão
                   SOL         DÓ SOL 
Ele nos dá o Seu amor e a Sua paz.

DÓ             FÁ        DÓ
É o Meu corpo: tomai e comei 
DÓ              RÉ-       SOL 
É o Meu sangue: tomai e bebei
          DÓ    DÓ7   FÁ               DÓ 
Porque Eu Sou a Vida, porque Eu Sou o Amor.
                    SOL        DÓ   SOL DÓ 
Ó Senhor faz-nos viver no Teu amor.

Como o Senhor nos amou, jamais alguém pode amar
Em tudo que nos legou, manifestou Seu amor
Quem comer a Minha carne e beber o Meu sangue
Permanecerá em Mim e Eu nele

Sempre que este pão tomais e deste cálice bebeis
Até que o Senhor volte Sua morte anunciais
Quem tomar indignadamente este santo alimento
Será réu do corpo e sangue do Senhor

Como o Senhor nos amou, jamais alguém pode amar, 
reuniu os homens todos na justiça e na verdade.
Quem no mundo quer amar, é um membro do Seu Corpo, 
nada o pode separar do Seu amor.

Se beberdes deste cálice e comerdes deste pão,
O senhor vos há-de dar o dom da ressurreição.
Do altar vamos partir ao encontro dos irmãos,
Levando a graça de Deus em nossas mãos.

(Epifania)
O Senhor nos vem salvar, e nos vem tomar irmãos
Como os homens mais humildes, trabalhou com as suas mãos
“É o Filho do carpinteiro”, todo o dia a trabalhar
Ele vive a cada dia para amar

Como o Senhor nos amou, jamais alguém pode amar
Percorreu o Seu país para a todo o povo falar
Revelou-lhe a salvação e falou-lhe de Seu Pai
Proclamou a liberdade e o amor!

(Mistério Pascal)
Como o Senhor nos amou, jamais alguém pode amar
No dia da grande Ceia, os pés aos seus Ele foi lavar
Sabeis o que Eu vos fiz. Eu que sou Mestre e Senhor
Eu vos dei o meu exemplo de Amor

Como o Senhor nos amou, jamais alguém pode amar, 
Seu amor era tão grande que na cruz nos quis salvar. 
Seu amor era tão forte que da morte triunfou,
do Seu túmulo o Senhor ressuscitou.

(Conclusão)
Glória ao Pai que nos criou, glória ao Filho Redentor, 
glória ao Espírito da vida que nos dá o Seu amor. 
Unidos por este pão que o Senhor transformou, 
demos graças ao Senhor que nos salvou.

(Natal)
Como o Senhor nos amou, jamais alguém pode amar,
Quis nascer tão pobrezinho no presépio de Belém.
Os pastores e os reis magos Lhe trouxeram seus presentes,
Pois sabiam que era o precursor da paz.

É porque eu quero ser como Tu és.
É porque eu quero viver para Ti,
Que ó Senhor, Te peço que o pão que nos dás,
seja só para viver, só para Te servir.
Autor: M. Bebaisieux

Os comentários estão encerrados.