Deus é Espírito

“Deus é Espírito, aqueles que o adoram devem adorá-lo em Espírito e Verdade”
 Jo 4, 19-24


Nesta leitura descobria uma liberdade muito importante para ter uma vida orante.
 
Em primeiro lugar porque Jesus nos diz que a oração, a adoração, não está presa a lugares (nem é naquela montanha, nem em Jerusalém) – penso que podemos até entender que não está sequer dependente do momento, do tempo que lhe dedicamos, ou outras características humanas das relações. A analogia que muitas vezes fazemos com as relações humanas é importante e ajuda mas temos de acreditar que a relação com Deus ultrapassa muito essas limitadas características e necessidades.
Em segundo lugar ao nos indicar que a adoração é em Espírito está a indicar-nos outra vez que a relação com Deus não tem as limitações das relações humanas – Deus não é como nós, não lhe afectam os sentimentos que nos afectam nas relações: ciúmes, preconceitos, temores, etc. Deus é maior que tudo os sentimentos. Sim, quer a nossa presença, a nossa disponibilidade – mas não creio que meça em minutos ou em “locais” a nossa entrega, dedicação e adoração.
Em terceiro lugar ao nos dizer que a adoração é em Verdade, indica-nos que o mais importante é a disponibilidade interior e o desejo de estar com Ele – Sto Agostinho dizia numa das suas cartas aos seus frades – “ acaso se pode estar rezando continuamente de joelhos na capela? Se interrompes o tempo para rezar não interrompas o desejo”. Creio que não deixar apagar o desejo de estar com Deus e de fazer a sua vontade é o que significa estar na Verdade.

Os comentários estão encerrados.