Guardar a Sua Palavra

«Respondeu-lhe Jesus: «Se alguém me tem amor, há-de guardar a minha palavra; e o meu Pai o amará, e Nós viremos a ele e nele faremos morada. Quem não me tem amor não guarda as minhas palavras; e a palavra que ouvis não é minha, mas é do Pai, que me enviou.»
Jo 14, 23


Jesus pede-nos que guardemos a sua palavra, que permanecamos na atitude de procurar vivê-la. Algumas inclinações dentro de nós ou vozes fora de nós podem-nos convidar a seguir outros critérios, outras prioridades, mas Jesus, que nos conhece bem e nos quer ver felizes, sabe que só unidos a Ele é que a nossa vida dá frutos e pode trazer-nos uma alegria e uma paz que não dependem das circunstâncias.
Por isso Ele continua a chamar-nos a guardar o que escutámos da Sua parte, a ser fiéis a isso. 
Há momentos na nossa vida apropriados para fazer opções, são momentos de discernimento, de luz, em que em oração e em comunidade entendemos que Deus nos chama por um certo caminho, ou que queremos ir por um certo caminho para seguir ao seu encontro. E depois há os momentos em que somos chamados a permanecer nessas mesmas opções, guardando esse precioso discernimento, ainda que seja difícil. Talvez sem guardar fidelidade à palavra nunca consigamos levar a nossa vida para onde queremos ir, para onde discernimos, acabando por ajustar as nossas opções ao que é mais fácil em cada momento.
Esta leitura pode ajudar-nos bastante enquanto convite a permanecer nos caminhos que discernimos com a palavra, a fidelidade nas decisões (e às decisões) que se vão tomando, mas também a fidelidade a permanecer neste diálogo com Ele, com a Sua palavra, que vai sendo fonte de vida para nós. 

Os comentários estão encerrados.